Surpresa!!!

Para amigo João Celorico, a Aldeia da minha vida oferece este blogue, para dar voz às suas palavras simples e singelas, e colocar lá no alto vivências mágicas vividas, com a sua terra no coração.

Se é por falta de tempo...ou de conhecimentos para mexer no blogue, não há mal nenhum nisso! Envie as suas criações poéticas e nós teremos todo o gosto em publicar aqui!

A casa já tem amigos: 6 seguidores, incluindo eu! Entre na sua casa e veja os comentários que alguns de nós deixámos!

Atenciosamente, Susana

Um blogue cheio de poesia, com cheirinho a saudades de uma terrinha raiana, a Salvaterra do Extremo...e não só!

Blogagem colectiva

Blogagem colectiva
Na minha terra come-se bem!

Blogagem Colectiva

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Na minha terra come-se...















Preparando o almoço do Bodo da Festa de Nossa Senhora da Consolação
(Com a devida vénia, foto retirada de http://seraiana.blogs.sapo.pt/)


Claro que podia aqui falar de “Laburdo”, “Miolos com rins”, “Ensopado de borrego”, “Jantar da Matança”, “Chanfana” e outras iguarias. Deixo isso para os gastrónomos. Eu como, para viver, não vivo para comer! Mas, não tenho nada contra quem é da opinião contrária!

Na minha terra come-se bem? Eu diria que nem bem, nem mal! Come-se!
Hoje em dia, época de globalização, come-se o que se come em quase todo o lado, é preciso é ter dinheiro.
O que posso dizer é, como se comia antigamente. Comia-se o que a terra dava, que era bem pouco. Alimentação à base de pão, principalmente de trigo mas, também algum de centeio. O pão entrava (entra) em tudo! Eram as “migas” de alho, de batata, de pão tostado ou o “gaspacho”. Os legumes, grão e feijão; poucos vegetais, couves e feijão “carrapato”; batatas e algum arroz, vinham a seguir. Carne, além dumas “pitas” destinadas principalmente à produção de ovos, só de ovino, caprino e porco, que o gado bovino, pouco, era só para trabalhar ou para dar leitinho. Umas cabrinhas, umas ovelhas e uns “bácoros” quase todos tinham.
Peixe, era um quase nada. O Erges dava uns peixitos, bogas, bordalos e pouco mais, pequenos no tamanho mas fartos em finas espinhas. Sardinhas, apesar de já deverem algo à frescura, conservadas em sal, eram um pitéu e, dizem que uma dava para três.
Então, como dizia, ele era pão com tudo, com queijo (que bom), com azeitonas (retalhadas e postas a adoçar na “talha”), com chouriço ou toucinho (as farinheiras e morcelas, eram cozinhadas).
Os pratos cozinhados, eram à base de grão, feijão, batatas e cabrito, borrego ou porco.
Gulodices, para os mais “lambinos”, só em dias de festa. Nos outros dias, uma fatia de pão, molhada e barrada com açúcar, ou quente e pingada de azeite (do puro) que substituía a manteiga e com vantagem pois era gordura vegetal! Também as crianças, ainda de peito, tinham as suas chupetas feitas dum trapinho enrolado que era molhado e embebido em açúcar, para que sossegassem as suas rabugices.
Nos dias de festa, o “arroz doce”, artisticamente polvilhado com canela, fazendo cruzes ou desenhando as iniciais do artista e a “aletria”, faziam as honras da casa.
Outras pequenas grandes alegrias da pequenada, eram o “coalho” e a espuma do leite de cabra ou ovelha, acabado de ordenhar, sujando só os “beiços” e fazendo-lhes uns “bigodes”!
E também o toucinho, na masseira, onde eu, mal me tendo em pé, metia as mãos, comia e inocentemente dizia ao meu irmão, mais velho, para que comesse porque eram batatas.
Fruta, era só a da época e da região. Por isso, resumia-se quase à melancia, ao melão, aos figos, talvez laranjas e algumas uvas (“gatchos”), pêssegos (“malacatões”) e “marguedas” (romãs). Depois, havia alguns extras, tais como as “bolêtas” e os “figos tchumbos”, as primeiras, cruas ou assadas e os figos que, apanhados com uma tenaz e metidos num balde com água, para amolecer os picos, lá se cortavam e se lhes retirava a pele. Estes eram docinhos mas com muitas grainhas e era normal que provocassem grandes dores de barriga e prisão de ventre a quem deles abusava.
E era com esta frugal alimentação que viviam as mulheres e homens que trabalhavam de sol a sol, abençoando a terra e causando a admiração de quem, hoje, tem mesa farta e variada!
Bom apetite!



( É este o texto que eu apresento na Blogagem Colectiva do blogue "Aldeia da Minha Vida". Se quiserem ler mais textos interessantes é favor dirigirem-se a aldeiadaminhavida.blogspot.com e deliciarem-se com os pitéus. O vinho já está na mesa. Chegou o mês passado!)

4 comentários:

  1. Olá João!
    Venho agradecer-lhe em nome da Aldeia a sua participação com comentários na Blogagem de Setembro.Foi um bloguista do melhor que há e sentimos mesmo o espírito da blogagem através das suas palavras.
    Ah,espero que recebeu o meu mail a propósito do seu texto para a Blogagem de Outubro.Diga-me algo quando puder.
    Jocas gordas
    Lena
    da Aldeia

    ResponderEliminar
  2. Ó João!

    Vamos nos divertir pra valer nesta blogagem Come-se bem... Estou aqui cheio de fome só por causa do que escreveu. Você é mesmo um menino arteiro.

    Abraço do amigo,

    Antonio

    ResponderEliminar
  3. Obrigado João :)
    Vou agendar direitinho o seu texto para a Blogagem.Ah e vou por uma nota para virem aqui ver a versão completa,assim ninguém passa fome e visitam o seu merecido blog :)
    Viva Salvaterra do Extremo!
    Jocas Light e 100% sem açúcar,
    Lena

    ResponderEliminar
  4. Pronto,Amigo João!
    Já está a agenda dos textos na Aldeia.O seu já tem data marcada.Os textos vao ser postados em grupo de dois.Adivinhe quem o acompanha nesse dia?
    Bom fim-de-semana
    Jocas Duplamente Lights
    Lena

    ResponderEliminar

Seguidores

Acerca de mim

Lisboa, Portugal
Beirão de raiz mas quase só isso. Interessado em tudo quanto tenha interesse. Bloguista acidental. Amigo do seu amigo.